FLAVIO OLIVEIRAS
(FLOS)

A Feira Miolo(s) 2021 é dedicada ao artista gráfico baiano Flavio Oliveiras. Nascido em 1982, no bairro Santo Antônio Além do Carmo em Salvador, Flavio é filho de dona Ivanir e seu Almir Sousa, costureira e sapateiro que migraram do Rio Grande do Norte e Ceará para Salvador no final dos anos 70, levando nas mãos seus ofícios para o fértil terreno do Tabuão e Baixa do Sapateiro, reduto de artesãos do centro histórico da capital baiana. 

Conhecido como Urso, Flos ou Flavão, Flavio foi um artista de muitas telas. Atuou como designer, grafiteiro, ilustrador, serígrafo, autor e produtor de feiras de impressos. Tornou-se uma potente referência nas artes gráficas.

Entre as ações da homenagem da Miolo(s) haverá uma mostra na Biblioteca Mário de Andrade com curadoria de Cibele Bonfim, de 1 de novembro a 10 de dezembro. Na abertura da feira também acontecerá a estreia do documentário que a Apus está preparando sobre Flavio e o lançamento do livro editado pelo Ateliê de Ofícios "Sobre Helen", da fotógrafa baiana Arlete Soares.

Nessa região, Flavio tocava o bar Oliveiras, onde artistas se congregavam ao redor da música independente. Também foi um dos fundadores do bloco carnavalesco De Hoje a Oito, movimento cultural de pesquisa do samba e fundador do Bloco Urso da Meia-noite.

​​​​​​​Ele participou do Fala Miolo(s) em 2020 com a palestra "Memória gráfica: afetiva, visual e manual", transmitida direto de Salvador. Expôs projetos de resgate de fazeres manuais e tipográficos. Com a feira totalmente digital em razão da pandemia, no estande virtual da Ateliê de Ofícios ele apresentou e imprimiu trabalhos ao vivo no Instagram.​​

Flavio foi internado com Covid-19 no Hospital Sagrada Família em fevereiro de 2021. Faleceu no dia 8 do mês seguinte com apenas 38 anos de idade, a poucos meses de receber a vacina contra a doença, deixando um legado gráfico, pedagógico e afetivo em meio a dor por sua trajetória interrompida.

“Um apaixonado pelas feiras de publicações, pelo fazer”, define Cibele Bonfim em uma live no Instagram da Biblioteca Mário de Andrade. Arquiteta-artista e educadora, Cibele era companheira de Flavio e cofundadora do espaço de aprendizados Ateliê de Ofícios, com a missão de preservar e espalhar a serigrafia artística. Ao longo de sua trajetória, Flavão foi também co-fundador da Sociedade da Prensa, coletivo de Artes Gráficas criado com Laura Castro e Tiago Ribeiro, que movimentou pesquisas, impressões, feiras e publicações experimentais com o selo Edtóra. Produziu eventos como as marcantes feiras Tabuão e Paraguassu. Era uma voz de resistência dos mestres impressores de seu bairro.